Diseño Gráfico & Ilustración

Mapa de influências para encontrar o estilo pessoal

Depois de vários anos trabalhando como designer gráfica, passei muito tempo a aprender diferentes estilos de ilustração e desenho, para enfrentar os pedidos de muitos tipos de clientes e adaptar meus projetos ao estilo que melhor resolve os seus problemas.
Como designer e ilustradora, é importante adaptar-se ao estilo que cada tarefa exige, mas como artista acabei pesquisando referências muito diferentes e desenvolvendo técnicas em diferentes estilos. Senti que não conseguia identificar-me com um em particular.
Decidi, então, procurar exercícios que me ajudassem a identificar meu estilo pessoal.

Inscrevi-me na aula deSkillshare de Christine Nishiyama “Art School Boot Camp: Developing Your Style”, na qual ela explica de uma forma muito clara três pontos importantes para encontrar o nosso estilo pessoal:

  1. Analisar as nossas referências visuais (especialmente as da nossa infância)
  2. Analisar a evolução do nosso trabalho.
  3. Desenhar, desenhar, desenhar, desenhar…

(Faço um pouco de spoiler, mas não é nada comparado com todas as informações que nos dão na classe, além dos emails de seguimento que envia com informações muito interessantes_ recomendo.)

O processo para encontrar a própria voz como artista é tão pessoal que não há receita ou tutorial que explique como o encontrar.
Os nossos projetos artísticos são um reflexo das nossas personalidades, sentimentos, experiências e influências. Criar ferramentas e exercícios para analisá-los é o melhor passo para encontrar o estilo pessoal.

Uma dessas ferramentas é o mapa das influências. Na aula de Christine Nishiyama criamos um mapa das influências visuais / culturais _livros, artistas, música, filmes, TV … _ da nossa infância (uma das fases das nossas vidas que mais nos define e molda a nossa personalidade).

Para além deste mapa de influências da minha infância, decidi criar dois mais: as influências da minha adolescência e as de agora.
Estudar e comparar estes três quadros ajudou-me a entender:

  • Que aspectos há em comum entre os três quadros?
  • Que exemplos gosto pelo seu conteúdo/conceito?
  • Que exemplos gosto pela técnica/forma?
  • Que exemplos gosto pela sua paleta de cores?
  • Que exemplos gosto pelas suas personagens?…
  • Que aspectos destas influências costumo representar ou usar nos meus projectos pessoais?
  • etc.
Partes dos mapas de influências da adolescência e de agora

Tal como analisamos a evolução das nossas influências visuais, é essencial fazer o mesmo com nosso trabalho artístico. Ver que tipo de elementos, técnicas, conceitos, temas, paletas de cores … repetimos mais vezes, quais as que gostamos mais de fazer / usar. Tudo isso nos dará pistas sobre o estilo que está tomando forma.

E, finalmente, a chave para realmente encontrar uma voz artística é continuar desenhando, continuar trabalhando, seguir as pistas que cada nova peça nos dá, continuar integrando novas influências e novas experiências ao nosso trabalho. Porque o nosso estilo, como nós, está constantemente a transformar-se e a evoluir.

Dragon Ball Fan Art

Não pude resistir. Recordando as minhas influências da infância, vi a primeira temporada de Dragon Ball novamente e decidi fazer um pouco de Fan Art, como fazia há mais de 20 anos, e ilustrar as minhas três personagens favoritas da série.